Doutor em psicologia explica a síndrome dos colecionadores de animais.

O doutor em psicologia Randy Frost, do Smith College, de Massachusetts, nos Estados Unidos, explica o que é a síndrome dos colecionadores de animais, um quadro patológico que não deve ser confundido com a simples boa vontade dos cachorreiros.

ÉPOCA -Como um colecionador de animais patológico se diferencia de um cachorreiro normal?
Randy Frost-
 Observamos se os animais estão recebendo tratamento adequado. Há pessoas que possuem vários animais e são capazes de cuidar bem deles, mas em um dado momento alguma coisa acontece e surge um desequilíbrio. Normalmente é algum tipo de perda, seja financeira ou de alguma pessoa querida. A partir daí essas pessoas não conseguem mais cuidar dos animais como cuidavam antes e eles passam a sofrer. Elas não percebem que seu comportamento mudou e não tomam uma providência para voltar ao normal.

ÉPOCA -Então tudo começa a dar errado a partir de uma situação nova?
Frost-
Sim, em alguns casos. Esse é um dos perfis de colecionadores de animais. Uma das características dessa síndrome é a ligação forte que essas pessoas sentem com os animais. Muita gente que cria bichos de estimação em casa se sente ligada afetivamente com eles, mas nos colecionadores essa ligação é tão próxima que eles não conseguem deixar o animal ir embora, mesmo quando está claro que ele ficaria melhor em outro lugar. Muitas vezes gastam muito dinheiro e muito tempo por causa disso. A situação até pode seguir sob controle durante algum tempo. O problema é quando, por alguma questão financeira, familiar ou de saúde, a pessoa não tem mais condições de cuidar dos bichos, mas já não consegue se desapegar deles e procurar um novo cuidador

ÉPOCA – O que pode ser feito para ajudar essas pessoas e esses animais?
Frost –
Nós não sabemos qual é a melhor estratégia. Conheço pessoas que foram colecionadoras de animais e hoje estão livres do problema. Elas contam que, enquanto estavam agindo como colecionadoras, simplesmente não percebiam o que estava acontecendo. Não enxergavam que podiam viver sem tantos animais, e que aqueles animais também conseguiriam viver muito bem sem eles. Depois que eles ficaram sem os animais, adquiriram uma nova perspectiva daquela situação. [Nos Estados Unidos esses casos são resolvidos judicialmente: os animais são recolhidos e os colecionadores são proibidos de criar animais novamente] Finalmente perceberam que na verdade estavam prejudicando seus bichos. O problema é que os abrigos costumam não ser espaçosos o bastante para acomodar tantos. Então algumas vezes eles são sacrificados.

ÉPOCA – O medo dos colecionadores é justamente esse, não?
Frost –
Sim, eles sentem que têm a missão de evitar a morte dos animais. Eles seguem o raciocínio de que um animal doente ou tratado inadequadamente é melhor do que um animal morto. O que me parece é que a melhor estratégia para começar a recuperação dos colecionadores é criar um ambiente estável e evitar que eles colecionem mais animais. É muito difícil conseguir que as pessoas se desfaçam de seus bichos.

ÉPOCA -E dá pra prevenir esse comportamento?
Frost –
O que acontece aqui – e acredito que no Brasil aconteça a mesma coisa – é que essas pessoas são facilmente identificadas em suas comunidades como “a mulher dos gatos”, ou algo assim. E aí os vizinhos que não querem mais seus gatos vão jogá-los dentro da casa dessa mulher. E isso contribui para agravar o problema. E o que essa mulher vai fazer? Ela não será capaz de despejá-lo na rua, pois tem medo de que o gato não sobreviva.

ÉPOCA – Há como parar esse ciclo vicioso?
Frost –
 Sim, quando há clínicas veterinárias e abrigos que os colecionadores freqüentem. Os profissionais desses lugares podem ficar de olho nos colecionadores e puxá-los para uma conversa. Eles podem falar sobre o estado de saúde dos animais e oferecer algum tipo de ajuda.

ÉPOCA – Aqui a internet tem sido uma aliada de cachorreiros e ONGs na meta de aumentar as adoções. Você vê essas redes positivamente?
Frost –
Acho que a internet é um ótimo recurso para resolver esse tipo de problema. Só que ela é ao mesmo tempo um lugar onde os problemas podem ficar piores, pois os colecionadores podem procurar ainda mais animais na internet.

Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EDG75402-5856,00.html

Quem protege os animais protege a si mesmo.

Eu amo os animais e sou um defensor deles desde criança.
Mas eu faço parte de uma minoria da raça humana, aquela que ama e defende animais como seres  inteligentes. A grande maioria da humanidade acha que animais são seres inferiores, que estão na  Terra para simplesmente nos servir, e pagando um preço geralmente muito caro para isso, ou seja,  com sua própria vida.

Eu não preciso dizer que você percebe a maldade na raça humana e a presença do mal sobre a Terra quando vemos que, desde crianças inocentes até cientistas renomados maltratam animais. Eu não preciso dar exemplos. Basta procurar na internet que você vai ver os horrores contra o Reino Animal.Eu faço questão de colocar estas duas palavras com letras maiúsculas para que possamos nos lembrar que estamos atentando contra um Reino. Aprendemos na escola quando éramos crianças (boas ou más), que existem muitos Reinos aqui na Terra : Reino Mineral, Reino Vegetal, Reino Animal e o Reino Humano.

Eu não vou ser hipócrita em dizer que não como carne, porque como desde pequeno e fui educado assim. Mas depois dos contatos mais recentes com as inteligências uranianas, parei de consumir carne vermelha e de frango já faz mais de 2 anos,porque entendo que assim, meu corpo humano viciado nas toxinas da carne um dia se libertará disso, e não precisará mais se alimentar da carne de outro ser vivo. Mas também não sou um eco-xiita porque compreendo que para tudo aqui na Terra existem os prós e contras, e eu respeito a opinião pessoal de cada um. Ao contrário de muitos xiitas de plantão, não quero fazer a cabeça de ninguém porque não permito que ninguém faça a minha .

Outro dia, assistindo na tv como as galinhas, porcos e bovinos são confinados pelas fazendas industriais, as “Sadias” da vida, lembrei dos campos de concentração da Segunda Guerra que visitei na Alemanha, em particular em Dachau, hoje transformados em museus para que nunca mais as novas gerações pensem naquilo como uma forma de “depurar” a raça humana. Dachau veio a minha mente quando vi galinhas presas em gaiolas, onde não podem abrir as asas, e vivem em um espaço relativo a meia página de papel A4.Assim, elas crescem em sua breve vida e são mortas 42 dias depois aproximadamente. As que são usadas para por ovos, põem 10 vezes mais ovos do que sua natureza poderia agüentar e os pintinhos que nascem com “problemas” são jogados friamente em um incinerador, ou algo do tipo. Toda vez que me alimento da carne de um frango lembro disso, e perco a fome.

Com os porcos, não é diferente. Ficam aprisionados em cubículos sem poder se mexer, com água e comida ao alcance de sua boca.Eles não podem se virar, andar ou correr.Eles só podem ficar ali para engordar, e morrer lentamente. Com os bovinos, vi novilhos aprisionados nos mesmos cubículos, para que não possam se movimentar e assim, sua carne fica macia para o consumo dos fantásticos e benevolentes irmãos do Reino Humano.

Certa vez, uma inteligência extraterrestre me disse: Se vocês fazem isso com seus animais e plantas, o que não irão fazer com um ser de outro planeta? Se vocês matam crianças e deixam morrer seus próprios irmãos terrestres em guerras, porque não nos matariam também? Depois disso, fiquei pensando sobre “o que teria dado errado com a nossa raça ? ” e não consegui chegar a uma explicação lógica. Em Conexão Urano eles me explicaram muito sobre “os acidentes genéticos” e “os padrões de dualidade da Terra” e senti que era uma explicação bastante razoável, que em nosso DNA existe uma parcela de agressividade bastante alta, talvez a mesma que permitiu que a raça sobrevivesse até os dias de hoje.

Depois de ler ” O Livro dos Uranianos ” sobre os animais, eu percebi ainda mais o que se faz contra estes seres na Terra, e por outro lado, vi com alegria a maneira amorosa de como eles são tratados em Urano. Se você ainda não leu, reproduzo aqui este capitulo que me fez mudar para melhor ainda mais minha visão sobre estes queridos irmãos.

UM ESTUDO COMPLETO SOBRE O COMANDO URANIANO NA TERRA

O QUE ACONTECE COM VOCÊS?

Eu não sei se sou a melhor pessoa para dizer sobre o que ocorre com vocês, seres da materialidade terrestre. Não sei e não me atrevo a dizer absolutamente nada sobre isso porque não sou um ser material da terceira dimensão e isso muda tudo.Em nosso planeta nós estamos acostumados com o ir e vir de espaçonaves amigas, tripuladas por seres vindos de nações amigas que possuem com urano tratados de paz e amizade que nunca serão rompidos porque eles foram estabelecidos diante de uma energia maior que é o Todo.

Foi através do Todo que crescemos e nos habituamos a receber visitas de todas as partes do universo, que trocam informações através do intermédio do Todo.Ele minimiza as diferenças dimensionais e traduz as diferenças físicas e de contato através de suas inúmeras fontes de poder e saber.Nós falamos uma língua só no universo, que é a linguagem do Todo, um idioma não vocabular que une todas as sementes estelares e não faz diferenças entre elas. Somos todos únicos, fazemos parte de uma fonte geradora de energia e assim estamos equilibrados diante de milhares de nações interplanetárias.O Todo traduz para os uranianos as vontades e desejos de nossos visitantes sem que eles precisem exercitar o hábito já abandonado de falar como vocês ainda fazem na Terra.

Um dia vocês não falarão mais nada porque não será necessário e apenas as vontades serão percebidas telepáticamente, assim como fazem os seus animais que vocês insistem em chamar de irracionais. Um ser irracional é para nós uranianos, aqueles seres que não possuem estrutura racional de condicionamento mental.Ora, isso não me parece nada gentil com seus representantes do reino animal, que já desenvolveram sem que vocês percebessem, uma linguagem própria, sem uso de vocábulos e de linguagem oral como vocês estão acostumados.Chamar os animais de irracionais é no mínimo irracional da parte dos humanos, que não percebem que existem outros reinos e que estes outros reinos podem coabitar o planeta de vocês com outro jeito de se comunicar entre si.

O reino animal é uma fonte de vida inesgotável sobre a Terra e não devem ser minimizados pelo homem só porque o homem acredita que pode usar sua inteligência para matar seres de outros reinos que habitam o mesmo espaço que os homens habitam na Terra.É um erro matar animais para comer e é um erro matar animais para comercializar. Os animais não são irracionais. Eles são vulneráveis, e isso é muito diferente. Um animal é capaz de acessar o Todo e demonstrar a um humano que ele sente afeto por este humano, através de um gesto carinhoso. Em urano nós temos animais diferentes dos que estão em Terra, mas nós não os chamamos de irracionais, porque eles possuem inteligência.E muito nos ajudam em obras e outros trabalhos que nós uranianos não podemos e não queremos fazer. O reino animal em urano é forte e possuímos varias espécies que nos ajudam a tornar urano ainda melhor do que já é.

Não temos animais de estimação. Temos animais que nos estimam.É uma relação diferenciada porque sabemos quem eles são e eles sabem quem somos nós.Possuem inteligência suficiente para habitar casas e ter suas famílias de origem animal, sem que para isso tenham que se submeter a nenhum tipo de escravidão ou subvida. São independentes e querem nos apoiar em tudo o que fazemos.Mas não são uranianos. São representantes do reino animal que desfrutam na oitava dimensão uma posição de destaque em nossa sociedade. Amigos dos uranianos. Animais da oitava dimensão.

Na Terra vemos o que os humanos fazem com seus animais.São mortos por lazer ou por esporte, sacrificados sem distinção, colocados em uma posição inferior e tratados como sub raça. Vocês não imaginam o que isso significa para o Todo que tudo vê. Uma nação prestes a mudar de dimensão, que maltrata cruelmente seus animais e coloca suas vidas em risco sem perdão.Este é um atestado da barbárie humana, que não conduz os caminhos da Terra como querem os mestres do universo. São arredios aos ensinamentos milenares de convivência espacial, e arredios aos ensinamentos de respeito aos seres que compõem o reino animal.

O que esperar de uma nação interplanetária que não entende a linguagem do reino animal e sacrifica milhares de vidas sem piedade? Isso é um sinal de perigo para nós que estamos fora dos limites terrestres e para quem está dentro dos limites terrestres em corpos físicos.Porque aqueles que maltratam animais são os mesmos que maltratam crianças e que avançam contra a natureza.Não respeitam o reino animal porque são irracionais. Para nós uranianos, os seres são considerados irracionais quando não compreendem o Todo e muito menos outras formas de relacionamento com reinos diferentes.

A terceira dimensão terrestre chegou ao seu limite e convenhamos que não há mais necessidade de tanto derramamento de sangue para que exista evolução. A evolução designada para vocês, é a mesma que esperamos para nós e para isso nós trabalhamos sempre, não importa em que dimensão nós possamos estar agora. Como vocês esperam que seres que matam animais possam estar presentes na quarta dimensão eu não sei, sinceramente não sei. Não acredito que exista espaço suficiente para seres tão materiais que precisam tirar a vida de outro ser para sobressair no reino dos irracionais.

O homem macaco sempre demonstrou sintomas de materialidade excessiva, e violência gratuita contra outros animais e contra seus próprios pares. Porém, acreditávamos que isso seria apenas um momento, uma experiência genética que se encerraria com seres evoluídos.Macacos que evoluíram e se tornaram homens. Mas os pós-macacos se tornaram seres racionais, ou seja, dotados de uma inteligência primaria que os fez avançar sobre os outros animais apenas com o intuito de matar.Assim foi a 500 mil anos. E assim ainda é, no limiar da terceira dimensão.

Eu retiro o que disse sobre macacos que matam seus pares. Macacos não matam seus pares sem um bom motivo.Leis do reino animal terrestre. Mas não retiro que os homens criados a partir do macaco não saibam lidar com os macacos, seus parentes genéticos e com nenhuma outra espécie viva. O que falar então do reino intergaláctico, recheado de criaturas e seres dos mais variados? Vocês têm alguma dúvida que não tentarão colocar-nos em algum aquário se formos capturados, para sermos visitados como animais espaciais?

Temos que admitir que muitos humanos possuem um bom coração, ou melhor, uma ligação maior com o Todo, que os impede que sejam irracionais como muitos animais chamados de irracionais, que não o são.Não matam por matar, são responsáveis por si e por seus animais e protegem todos os que possuem uma verdadeira paixão pela natureza. Estes humanos já compraram um bilhete para entrar na quarta dimensão e estão quase lá. Já compreendem o universo de uma forma mais clara e apurada, é uma significativa parcela de seres esta que habita a humanidade terrestre.

Os uranianos se aproximam destes humanos que não desejam a barbárie contra seres de nenhuma espécie porque compreendemos que estes seres mesmo sem saber, na escuridão da terceira dimensão, percebem as luzes do universo e querem seguir seu brilho para que estas mesmas luzes a levem para um futuro melhor integrado ao Todo.Vocês não sabem como admiramos estes seres que amam os humanos e amam a Terra como a si mesmos. São os humanos que compartilham a energia cristica do deus que andou entre vocês.

Em urano, estes seres um dia chegarão e serão recebidos com amor por todos nós, que amamos aqueles que respeitam as leis universais e não se corrompem diante das dificuldades. Também temos dificuldades na oitava dimensão e não pensem que não temos formas e métodos para conhece-las melhor a fundo para depois aplicarmos a melhor solução.Temos problemas em urano mas nós resolvemos os problemas que chegam até nós da melhor forma possível sem que animais ou outros seres sejam molestados por nós.

Humanos matam para comer.Uranianos não matam. Nem para comer e nem para coisa alguma.Sabemos nos defender de ameaças bélicas, é verdade. Mas jamais matamos para comer porque comer outro ser para nós significa o aspecto maior da irracionalidade que vocês dizem ser típico dos animais.O animal morto para nós significa motivo de dor e não compreendemos uma civilização avançada que produz dejetos provenientes de carne de animais mortos.Um animal que morre estabelece uma ligação de dor com aquele que se alimenta daquele animal e nunca se livrará da dor do animal que foi ingerido. A energia daquele animal circulará por suas veias e órgãos até que seja absorvida totalmente por seu organismo, que um dia , perecerá na dor.

Nós uranianos nos alimentamos de nutrientes existentes em nossa atmosfera e de compostos salutares que reúnem minerais básicos a nossa constituição física. Não nos alimentamos de nada que tenha sangue de nenhuma espécie, mesmo que estejamos em missões fora de nossos limites físicos e planetários.Somos quase não alimentáveis, podemos dizer assim, porque transformamos matérias não visíveis aos olhos humanos em matérias que nutrem nosso sistema funcional.Somos rígidos e fortes, mas nem por isso somos autorizados a ter que matar para comer. Isso não existe em nossa civilização e recomendamos a todos os uranianos que estão em corpos não uranianos, na Terra e em outros globos, que se abstenham de usar a carne e recursos que venham da materialidade animal para se alimentarem.

Sabemos que em muitos mundos, principalmente na Terra, muitos desejam libertar-se dos hábitos selvagens de matança animal para nascer para um novo mundo. Mas poucos conseguem libertar-se da materialidade do alimento animal porque seus corpos precisam de muitos elementos minerais e protéicos encontrados nestas matrizes de origem animal. Ora, nós conhecemos bem particularmente a estrutura física dos corpos terrestres e compreendemos que isso não é mais necessário devido à evolução que estes corpos tiveram ao sobreviver milhares de anos em condições adversas.Humanos encontrarão fontes ricas de abastecimento celular em matrizes orgânicas de fácil acesso e com isso, se desligarão da matança de animais de sangue quente por simplesmente não precisarem mais deste tipo de energia.

Nós não sabemos o que acontece com vocês no momento em que estão quase rompendo o limite da terceira dimensão para a quarta. Só sabemos que isso tudo que viveram até hoje não contribui para que vocês possam entrar na quarta dimensão. Não veremos um homem macaco com um osso de animal entre os dentes na quarta dimensão. Isso vocês podem ter certeza. Mas queremos encontrar um humano intergaláctico que respeita as diferenças dos reinos que terá de conviver daqui para frente. Reinos onde não se derrama sangue para se alimentar. Reinos onde se derrama amor para poder entrar.

 

 

Fonte:http://uranianos.wordpress.com/2013/05/22/quem-protege-os-animais-protege-a-si-mesmo/