Gatos…são animais que trazem boa sorte.

“Você tem um gato? Se fosse no Antigo Egito, diriam que você é uma pessoa afortunada: haveria um Deus morando em sua casa. Mais propriamente, uma Deusa, Bastet, a Deusa-gata. Observar o comportamento do gato é ter uma lição de sabedoria…”A associação do gato com os humanos já tem pelo menos 10 mil anos, idade das primeiras representações encontradas na ilha de Chipre que mostram esse pequeno f

elino em estreito convívio conosco. Provavelmente, sua domesticação ocorreu muito antes. A subfamília Felinae, que agrupa os gatos domésticos, surgiu há cerca de 12 milhões de anos, expandindo-se a partir da África subsaariana até alcançar as terras do atual Egito. Existem hoje cerca de 250 raças de gato-doméstico, e todas elas são uma adaptação evolutiva dos gatos selvagens.Como quase tudo na vida humana, no início a importância da presença dos gatos entre nós deu-se sobretudo por razões práticas. Quando as populações humanas deixaram de ser nômades, a vida das pessoas passou a depender substancialmente da agricultura. A produção e armazenamento de cereais, porém, acabou por atrair roedores. Foi nesse momento que os gatos vieram a fazer parte do nosso cotidiano. Por possuírem um forte instinto caçador, esses animais espontaneamente passaram a viver nas cidades e exerciam uma importante função na sociedade: eliminar os ratos e camundongos que invadiam os silos de cereais e outros lugares onde eram armazenados os alimentos.

Registros encontrados no Egito, como gravuras, pinturas, múmias e estátuas de gatos indicam que a relação desse animal com os egípcios data de pelo menos 5 mil anos. Elementos encontradas em escavações mostram que, nessa época, os gatos eram venerados e considerados animais sagrados. Bastet, deusa da fertilidade e da felicidade, considerada benfeitora e protetora do homem, era representada na forma de uma mulher com a cabeça de um gato. Na verdade, o amor dos egípcios por esse animal era tão intenso que havia leis proibindo que os gatos fossem “exportados”. Qualquer viajante que fosse encontrado traficando um gato era punido com a pena de morte. Quem matasse um gato era punido da mesma forma e, em caso de morte natural do animal, seus donos deveriam usar trajes de luto.

Não tardou para que alguns animais fossem clandestinamente transportados para outros territórios, fazendo com que a popularidade dos gatos aumentasse. Ao chegarem à Pérsia antiga, também passaram a ser venerados e havia a crença de que, quando maltratados, corria-se o risco de estar ofendendo um espírito amigo, criado especialmente para fazer companhia ao homem durante sua passagem na Terra. Desse modo, ao prejudicar um gato, o homem estaria atingindo a si próprio.

Devido ao fato de serem exímios caçadores e auxiliarem no controle de pragas, por muitos séculos os gatos tiveram uma posição privilegiada na Europa cristã. Porém, no início da Idade Média, a situação mudou: também os gatos foram vítimas de uma das várias paranoias cristãs que assolaram o mundo naqueles tempos. Certamente por causa do seu comportamento esquivo e independente, os gatos foram acusados de estarem associados ao demônio e a maus espíritos e, por isso, muitas vezes foram queimados juntamente com as pessoas acusadas de bruxaria. Aconteceram muitos massacres de gatos nas cidades europeias e, até hoje, ainda existe o preconceito de que as bruxas têm um gato preto de estimação, sendo esse animal associado aos mais diversos tipos de sortilégios; dependendo da região, porém, podem ser considerados animais que trazem boa sorte.


Fonte: https://www.facebook.com/Valedemorrigan

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s